Skip to Content

Quando devo dar o passo definitivo para o cinto de segurança?

¿Cuándo debo dar el paso definitivo al cinturón de seguridad?

27/06/2016

No que se refere à segurança rodoviária e, em concreto, à segurança das crianças, existem uma série de guias e de normas a ter em consideração que são muito descritivas e informativas. Ou seja, graças às normas sabemos exatamente que tipo de sistema de retenção devemos utilizar dependendo das características físicas dos nossos filhos. Em linhas gerais, sabemos que em recém-nascidos se devem utilizar os chamados Grupo 0+ e, à medida que estes forem ficando pequenos, devemos avançar pelas categorias, com cadeiras cada vez maiores e mais seguras. Aqui ajudamos a escolher a cadeira segundo as suas necessidades.

Quando o pequeno crescer o suficiente, passará de uma cadeira com arneses para um assento elevador, e uma vez superada essa fase, passará a utilizar o assento como um adulto, com a fixação do cinto de segurança, sem acessórios. O problema real de muitos pais e mães é decidir o momento exato em que os seus filhos podem deixar de utilizar a almofada elevadora, e passar a utilizar o cinto de segurança. Como saber exatamente o momento em que “damos o passo”?

As crianças entre 6 e 9 anos, as mais expostas nos acidentes rodoviários

Esta dúvida razoável de muitos pais sobre quando deixar de utilizar o assento elevador entende-se perfeitamente. Não só as crianças já cresceram bastante, como se movem com maior independência e, em alguns casos, “parecem” muito maiores do que são. Nesses intervalos de idade, sobretudo quando mais perto estão dos 9 anos, as dúvidas dos pais refletem-se na eliminação prematura do assento elevador.

Essa questão incide negativamente na segurança dos pequenos porque se o cinto de segurança não puder ser ajustado corretamente, as lesões em caso de acidente podem ser graves. Isto pode analisar-se na perfeição no relatório da Fundación MAPFREAssentos elevadores no automóvel:Até quando é preciso usá-los?”.

É preciso ter muito clara a única regra que vai eliminar qualquer dúvida que tivermos:as crianças podem utilizar o cinto de segurança no momento em que o referido dispositivo fique bem ajustado ao seu corpo, sem pôr em perigo qualquer parte sensível do mesmo, como é o caso do pescoço. Até esse momento, o pequeno deve utilizar a almofada elevadora.Não é preciso ter pressa porque a almofada elevadora é a garantia de que o cinto está corretamente ajustado ao seu corpo, tal como comentamos no artigo “O que devemos ter em conta na hora de escolher um banco para carro”.

Não há uma idade limite para utilizar um assento elevador no carro. Por este motivo não temos de ter pressa em eliminá-lo da rotina diária, porque se o fizermos antes do tempo estaremos a pôr os pequenos em risco. É a mesma ideia e filosofia que defendemos no uso dos sistemas de retenção habituais.

A lei e a norma dizem-nos que os menores com uma estatura inferior ou igual a 1,35 metros devem utilizar os Sistemas de Retenção Infantil (SRI) colocados nos assentos de trás dos veículos dos ligeiros, salvo numa das três exceções contempladas:caso o veículo seja de dois lugares, caso os assentos de trás já estejam ocupados por outras crianças em cadeira e se, dadas as condições do automóvel, não seja possível instalar aí todos os sistemas de retenção

A diferença entre obedecer à norma (que nos obriga) e fazer um uso razoável dos dispositivos de retenção é a segurança dos nossos filhos. Se assim que deixarmos de ser obrigados por norma a utilizar SRI (assento elevador no caso), o eliminarmos sem nos certificarmos de que a criança fica bem protegida pelo cinto, estaremos a incorrer num risco para o menor. Pelo contrário, não acontece nada se esperarmos um tempo prudencial mantendo o assento elevador que, para a criança, é algo que já está integrado na sua rotina habitual quando se acomoda no carro.

Back to top