Skip to Content

Por que é importante que as cadeirinhas estejam homologadas?

Por que é importante que as cadeirinhas estejam homologadas?

04/05/2017

Para garantir a segurança da criança no carro não vale qualquer tipo de sistema de retenção infantil (SRI). Tal e como indica a regulamento vigente, deve se tratar de um SRI que reúna fundamentalmente estas características: que esteja homologado, que se adapte a seu tamanho e a seu peso. Que acontece se optamos por uma cadeirinha que não esteja homologada? As consequências podem ser terríveis, chegando a provocar lesões graves e inclusive a morte da criança.

Sabia que na Espanha ainda é possível adquirir cadeirinhas não homologadas? Assim denunciou a Fundación MAPFREdurante a elaboração do Dossiê 2016 de Segurança Viária Infantil no Automóvel na Espanha e América Latina. De fato, ainda é comprado SRI não homologados em grandes escalas.

PARA QUE SERVE A HOMOLOGAÇÃO?

Para que um sistema de retenção infantil possa ser vendido é necessário que seu fabricante demonstre que a cadeirinha seja capaz de superar uma série de provas com objetivo de garantir o mínimo de segurança.

Na Europa, os fabricantes devem ir a um laboratório de provas credenciado onde as cadeirinhas são submetidas a estas provas. Todos estes ensaios são combinados.

HOMOLOGAÇÃO VIGENTE

Atualmente na Espanha e na Europa há duas normas de homologação vigente: R44/04 y la R129 ((resuelve aquí todas tus dudas sobre los próximos cambios en materia de homologación)). Ambas elaboradas pela Comissão Económica da Europa das Nações Unidas, constituída em 1947 pelo Conselho Económico e Social de NN.UU (ECOSOC) e é uma das cinco comissões regionais das Nações Unidas.

Por um lado, temos a R44/04. As cadeirinhas devem superar uma prova de choque frontal a 50 km/h, uma prova de choque trasero a 30 km/h, provas sobre a fivela de fechamento do arnês, uma análise do desenho do assento, um estudo do cinto ou arnês…

Por outro lado, a R129é uma melhora da anterior. Acrescenta-se uma prova de choque lateral e garante um assento ‘tamanho-i’ que se possa instalar em qualquer banco de automóvel que também seja ‘tamanho-i’

Também se fomenta o uso de cadeirinhas viradas para atrás durante mais tempo, mínimo 15 meses, para garantir uma maior segurança da cabeça e pescoço. Igualmente, com os engates isofix oferecendo um menor risco de instalações incorretas.  Aqui damos respostas a todas as dúvidas.

Podemos saber se um sistema de retenção infantil está homologado por uma ou outra regra de acordo com a etiqueta: etiqueta R129  e etiqueta R44/04.

CONSEQUÊNCIAS DE USAR CADEIRINHAS SEM HOMOLOGAR

Usar uma cadeirinhas que não esteja corretamente homologada pode provocar consequências gravísimas e inclusive mortais, tal como demonstrado e mencionado no dossiê.

A prova realizou-se com SRI não homologados do Grupo 0+ e Grupo I. Os resultados são especialmente ruins, superando os limites estabelecidos pelo R44/04 tanto a deslocação da cabeça como aaceleração do tórax. Além do mais ocasionaram-se rompimentos dos arneses e da estrutura tornando os SRI completamente inseguros.

Utilizaram-se dummies P3/4 e P3 respectivamente. As colisões simulam um choque contra outro veículo a uma velocidade de 48 km/h.

No vídeo da prova podemos ver como inclusive o dummie fica completamente pendurando do pescoço.

Rompe-se a peça de fixação de uma parte da estrutura do sistema de retenção. Além do mais, enquanto a deslocação horizontal do dummy, segundo a regulamento R44/04, deve ser no máximo de 550mm e o vertical de 800mm, os resultados para uma cadeirinha não homologada foi de deslocação horizontal entre 659 e 799mm e a deslocação vertical de 750mm.

Com respeito ao tórax,  o regulamento R44/04 limita a aceleração resultante do tórax a um valor menor que 55g, este valor pode ser superado se tiver uma duração menor de 3ms. Na prova o valor obtido foi de 80,72 g ultrapassando em mais de 20g o valor estabelecido pelo regulamento.

No que se refere a aceleração na componente vertical do tórax, o regulamento limita a componente de aceleração vertical para o tórax a um valor menor que 30g, este valor pode ser superado se tiver uma duração menor que 3ms. A prova realizada com um SRI sem homologar mostram um pico de 40,97g e outro de 34,8g que superam o regulamento.

Igualmente, tem-se em conta o protocolo de Euro NCAP para avaliar a aceleração da cabeça. Se for superior a 80g, entende-se que houve contato da cabeça. Se o pico da aceleração for superior a 88g por mais de 3ms, considera-se que o SRI teve um resultado não válido. No ensaio há um pico máximo de 185,35g o que indica que houve contato com a cabeça do dummy.

CADEIRINHAS SEMPRE HOMOLOGADAS

Por tudo isso, na hora de adquirir um novo sistema de retenção infantil devemos ter a certeza que o mesmo tenha sido corretamente homologado de acordo com algum dos dois regulamentos vigentes. Isto podemos fazer consultando a etiqueta: R-44/04 / R-129. Devido a imitação das etiquetas, é aconselhável consultar o modelo com o fabricante e, por isso, devemos ir sempre a uma loja especializada onde possamos ser atendidos de maneira correta e onde possam resolver todas nossas dúvidas ao respeito.


Objetivo Zero

Back to top