Skip to Content

Os trens deveriam possuir sistemas de retenção infantil?

SRI em trens

31/07/2015

O trem é considerado um veículo muito estável, porque se desloca sobre trilhos, e porque o traçado das curvas é de raio amplo. O movimento do trem costuma ser, salvo situações excepcionais, muito progressivo e suave, pois circula a uma velocidade quase constante nos modos de cruzeiro, e acelera e freia com grande antecedência para evitar movimentos bruscos.

Em geral, é por isso que é muito difícil que os passageiros sofram movimentos ou sacudidas bruscas quando viajam sentados.

Esta é uma diferença importante em relação aos veículos que se deslocam por rodovias, onde há muito mais surpresas e imprevistos, ou em relação aos aviões, onde se podem ocorrer turbulências inesperadamente.

Da mesma maneira que os trens não contam com cintos de segurança nos assentos, também não é obrigatório que as crianças utilizem qualquer sistema de retenção infantil. As crianças podem ir sentadas nos assentos sem maiores impedimentos.

Agora, seria oportuno e interessante que os trens contassem com sistemas de retenção infantil? A resposta é um tanto complexa e está intimamente relacionada com a necessidade ou não do cinto de segurança. O fato é que não há consenso no âmbito técnico e normativo sobre este assunto, e se encontram vozes a favor de contra.

De qualquer modo, como em qualquer outro veículo em movimento, e mesmo que seja somente por prudência e para situações excepcionais que poderiam advir (como uma freada de emergência ou um acidente), não seria exagero se os assentos dos trens tivessem cintos de segurança, ou que as crianças utilizassem um sistema de retenção, para evitar que escorreguem no assento ou que se choquem contra outros elementos do trem.

Para que as crianças possam utilizar um sistema de retenção infantil em um trem nem seria necessário que os assentos contassem com cintos de segurança, poderiam ser utilizados cadeiras infantis de automóvel.

Também poderiam ser utilizados sistemas de retenção infantil de viagem, que existem nos ônibus que não possuem cintos de segurança. São compostos de arreios e faixas ou correias de fixação que abraçam o assento traseiro de modo a ficar bem seguro. Podem ser desmontados com facilidade e guardados ocupando pouco espaço.

Neste caso, mesmo que não exista uma necessidade imperativa, sempre é melhor prevenir do que se lamentar.

Back to top