Skip to Content

Estes são os aspetos de uma cadeira que melhoram a proteção em caso de choque lateral

As viagens urbanas e os impactos laterais

13/08/2015

Superado este primeiro requisito de segurar a criança dentro do carro e no banco, as melhoras que foram introduzidas no design das cadeiras foram introduzidas não apenas para segurar, mas também proteger e oferecer mais segurança. Esta preocupação também chegou à norma de homologação, tal e como observamos com a nova norma i-Size, na que é incluído um teste de impacto lateral, que na norma antiga não existia.

Devemos considerar que sofrer um impacto lateral em um veículo, pensando nas crianças, é uma situação um tanto comprometida, pois muitos automóveis ainda não têm airbags laterais nos bancos de trás, e se contam com airbags de cortina, podem oferecer pouca melhora na proteção para as crianças, dado o tamanho.

Em caso de impacto lateral a criança experimenta uma sacudida que agita sua cabeça e pescoço para os lados. Além dos efeitos no pescoço, existe o risco de que a cabeça chegue a bater em estruturas rígidas do veículo, como as portas ou vidros.

Por isso é importante que o desenho da cadeira de segurança tenha várias estratégias de proteção em caso de impacto lateral.

A primeira é que a cadeira tenha um encosto envolvente com curvas laterais para abraçar o corpo da criança e diminuir os movimentos que pode sofrer em caso de sacudida.

Isto deve ser considerado também ao eleger um acessório ou uma cadeira com encosto. Esta última é mais recomendável.

Os encostos devem apoiar os ombros e a cabeça. Com um apoio para cabeça com orelhas também evitamos que a cabeça da criança, caso esteja dormindo, incline excessivamente, pois fica apoiada. As orelhas devem contar com um acolchoado de amortização de contato da cabeça.

Que a cadeira deve estar bem presa ao banco e com o menor espaço livre possível, isto também é necessário para evitar qualquer movimento com a sacudida do golpe lateral. Se a cadeira está presa com sistema isofix é mais complicado qualquer movimento. Caso não seja do tipo isofix, a existência de ranhuras bem desenhadas para passar o cinto de segurança, que deve estar preso em uma posição fixa e bem estirado, diminui a possibilidade de movimento.

De acordo com o design da cadeira eleito pelo fabricante, é possível incluir uma estrutura lateral através de almofadas de ar que permitem absorver a energia do impacto. Outra solução são as almofadas de recrescido nas laterais dos ombros, de material também absorvente, que permitem que a lateral da cadeira esteja apoiada na porta, para conter o balanço lateral que possa sofrer e, ao mesmo tempo, garantir uma separação mínima maior entre a cabeça da criança e as estruturas rígidas contra as que poderia bater.

Back to top