Skip to Content

Diferenças entre um assento de elevação e uma cadeirinha com encosto

Diferencias entre un asiento elevador y una sillita con respaldo

29/10/2020

Chegou a hora de mudar para um assento de elevação e você não sabe se escolhe um assento com ou sem encosto? Aqui na Fundación MAPFRE vamos abordar as principais diferenças entre os dois. Em primeiro lugar, deve ficar claro que só é recomendável usar um assento de elevação sem encosto a partir dos 125 cm de altura. Por outro lado, o assento com encosto pode ser usado em todos os momentos a partir dos 15 kg e até que a criança possa usar diretamente o cinto de segurança de adulto.


A principal função do assento de elevação é levantar a criança para que o cinto de segurança possa ser colocado corretamente. Assim como vemos na imagem a seguir e como deve ficar:

 

Cinturón 

A partir dos 15 kg de peso, as crianças podem utilizar cadeirinhas dos grupos 2/3 e aqui encontram-se os assentos de elevação, com e sem encosto. Em primeiro lugar, você não deve se apressar em trocar de grupo antes do tempo. Você só deve passar para o próximo sistema de retenção infantil se ele ficar muito pequeno para a criança. Aqui abordamos quando trocar a cadeirinha por um assento de elevação.


A isto deve-se adicionar a nossa recomendação de que as crianças viajem viradas para trás durante o maior tempo possível e pelo menos até os 4 anos. Atualmente existem no mercado cadeirinhas que permitem ir assim até os 18 e 25 kg.


Se já chegou a hora de passar para o assento de elevação, pode surgir a seguinte questão: com ou sem encosto? Para a Fundación MAPFRE a resposta é clara: um assento de elevação com encosto oferece uma maior proteção à criança. Lembre-se de que este tipo de assento simplesmente levanta a criança para que o cinto de três pontos possa ser colocado corretamente. Ele é utilizado quando a criança ainda não é alta o suficiente para se sentar diretamente no banco do carro. Considera-se que a partir dos 150 cm de altura não é mais necessário nenhum SRI, embora a normativa requeira somente até os 135 cm, mas lembre-se que a criança deve continuar usando o assento de elevação se, ao colocar o cinto de segurança, a faixa do cinto toca o pescoço ou passa sob o queixo.


Um assento de elevação com encosto oferece mais proteção à criança. A criança segue estando em uma cadeirinha que oferece proteção lateral, maior ergonomia e, além disso, evita erros na colocação do cinto de segurança, uma vez que deve passar pelos slots específicos. Também oferece uma maior proteção dos quadris, costas, ombros e cabeça. Além disso, faz com que a criança permaneça no SRI em caso de acidente, o que não acontece com um assento de elevação sem encosto. Evita que a criança bata com a cabeça no vidro ou no interior do veículo em caso de impacto.


O fato de o encosto de cabeça poder ser regulado de acordo com a altura da criança, significa que o cinto também é colocado na posição correta de acordo com a altura. O cinto passa corretamente pela altura da clavícula e não pelo pescoço. A faixa da barriga deve passar pela pélvis e não sobre o estômago. Os assentos de elevação com encosto também garantem que assim seja graças às suas âncoras de fixação.


O assento de elevação sem encosto pode ser mais prático e ocupar menos espaço, mas certamente protege menos.


Nós da Fundación MAPFRE defendemos a utilização de assentos de elevação com encosto para uma maior segurança:

Ventajas elevador con respaldo 

Por fim, lembre-se que as alterações feitas nos assentos de elevação afetam apenas a sua homologação, ou seja, apenas aos fabricantes de cadeirinhas. Neste infográfico abordamos essa questão.

Objetivo Zero
Back to top