Skip to Content

Conselhos para viajar com crianças com diabetes

Conselhos para viajar com crianças com diabetes

26/09/2016

Crianças com diabetes (tipo 1) podem levar uma vida completamente normal e sem entraves desde que sigam as diretrizes estabelecidas em seu tratamento para manter seu nível de açúcar no sangue de maneira regular, e sempre que adapte-se a ingestão de alimentos e a administração de insulina à sua situação em particular.

Na hora de viajar, tenhas em mente que isso significa uma mudança na rotina, em maior ou menor escala, e devemos tomar certas precauções, tanto com o transporte de insulina e de fitas reagentes, entre outros aspectos como o planejamento das refeições.

O QUE DEVEMOS FAZER ANTES DE VIAJAR

O primeiro passo que devemos fazer é pedir um relatório médico completo aos especialistas, onde esteja detalhado tudo o que tu precisas saber sobre o tratamento atual e o material que tens de carregar. Assim, evitaremos qualquer contratempo e podemos acelerar, por exemplo, a passagem através de uma estância aduaneira, se for o caso.

Se estivermos a viajar pela Europa podemos pedir antecipadamente o cartão europeu de saúde (todas as informações encontram-se na página da Segurança Social), e também devemos informar-nos de todos os detalhes sobre um possível tratamento no destino, caso possuamos seguro-viagem. Tudo o que possamos adiantar significará uma maior simplicidade em um momento crítico que precisar de assistência.

É importante planejar em excesso o montante necessário de material para a viagem, caso esta venha a estender-se, por exemplo. Também deves levar um kit de glucagon, - saber prepará-lo e administrá-lo, assim como um pouco de suco e biscoitos para evitar a temida hipoglicemia (baixa de açúcar no sangue)

Tudo o que diz respeito ao transporte de insulina e outros materiais deves ser cuidadoso, e ter em mente que esta se deteriora em temperaturas acima de 30°C e abaixo de 0°C, o que torna importante o uso de uma bolsa isotérmica, ou então um isopor portátil de modo a manter a temperatura controlada. Isso tem uma consequência que, se viajamos de avião, não devemos despachar os medicamentos, devido às baixas temperaturas no porão do avião.

Se a viagem exige uma vacinação prévia, é conveniente fazê-la a tempo suficiente caso uma reação adversa venha a ocorrer, ou que a vacina descompense o diabetes. Além disso, temos de pensar sobre a comida típica do país de destino e planejá-la, pois devemos saber exatamente quais alimentos podem ser dados à criança e quais as porções que esta deve consumir.

Se viajares para outro fuso horário, mantenha-o em mente porque tu terás de ajustar a aplicação de insulina para o novo horário: se viajares para o oeste, ganhas horas por dia; se viajas para leste, perde-as. Portanto, deves tê-las em conta e em caso de dúvidas, deves consultar um especialista.

Por último, ao regressar à rotina, devemos retomar a rotina anterior de ingestão de insulina de maneira progressiva para evitar problemas, porém, novamente, em caso de dúvidas, o melhor é perguntar aos especialistas.

Ayúdanos a conseguirlo

Back to top