Skip to Content

O que é a asfixia postural e como evitá-la

O que é a asfixia postural e como evitá-la

09/02/2016

As pessoas passam em muito pouco tempo de permanecer no interior do ventre materno suspensas num estado de ausência de gravidade graças ao líquido amniótico, a terem que se enfrentar à atração da Terra durante o resto das suas vidas.

Quando um recém-nascido começa a enfrentar a força da gravidade, ainda não tem o corpo suficientemente desenvolvido para fazer com segurança funções tão básicas como dormir noutra posição que não seja a horizontal.

Isto deve ser tido em conta ao colocar a criança numa cadeira de automóvel. É muito importante fazê-lo da maneira apropriada, com a postura correta e os arneses corretamente fixos para evitar que o seu corpo se flexione sobre si próprio e dificulte a respiração da criança. A conhecida como asfixia postural ou asfixia posicional.

Com todo o seu peso deitado para a frente a caixa torácica não pode expandir-se para apanhar ar, o diafragma não pode trabalhar e, se também deitar a cabeça para a frente, fecha-se a traqueia dando como resultado a asfixia em poucos minutos.

A revista Pediatrics publicou, no ano 2001, um estudo com 100 bebés, 50 deles prematuros de 36 semanas, monitorizados durante 60 minutos em cadeiras de automóvel. A saturação de oxigénio no sangue decorrido esse tempo baixou em média de 97% para 94% (os valores normais são entre 96% e 100%), chegando a cair em sete dos casos até 90%. Além disso, 12% dos prematuros sofreram apneias ou bradicardias.

Tudo isto vem a propósito de uma família que está a sair bastante nos meios de comunicação e cuja história chegou a todos os cantos da internet. São a família Dodd e perderam o segundo filho, Shepard, com menos de três meses de vida, por culpa da asfixia postural.

Deixaram o filho na creche e uma das educadoras pôs o Shepard a dormir a sesta na cadeira do carro que os pais o tinham colocado. O correto teria sido colocá-lo a dormir num berço ou em qualquer superfície horizontal habilitada. Infelizmente não foi assim.

Agora os Shepard empreenderam a enorme tarefa de dar a conhecer a sua história e de ajudar outras famílias a difundir os riscos que pode representar deixar uma criança mais tempo do que o necessário na sua cadeira e como evitar estas situações.

09/02/2016

09/02/2016

Por isso, as recomendações são claras:

  • Embora pareça que estão muito cómodas na sua cadeira infantil, é necessário limitar o seu uso ao carro e em períodos de tempo não demasiado prolongados.
  • Não utilizar as cadeiras infantis para deixar as crianças a dormir.
  • Quando as colocamos na cadeira infantil, o arnês deve manter os ombros bem presos ao encosto para evitar que tombem para diante.
  • Se formos realizar uma viagem longa, é necessário parar periodicamente para que a criança recupere a postura e seja adequadamente oxigenada.


conseguir-objetivo-cero

Back to top