Skip to Content

Analisamos a taxa de acidentes viários infantil no ano de 2016 segundo as diferentes faixas de idade

Analisamos a taxa de acidentes viários infantil no ano de 2016 segundo as diferentes faixas de idade

12/12/2017

Dentre todas as faixas de idade que podemos dividir à população, a faixa etária de 0 a 14 anos é a mais vulnerável a um acidente de trânsito . Conforme mostrado neste infográfico da Fundación MAPFRE, a cabeça é a zona do corpo onde há maior frequência de lesão nas crianças de 0 a 14 anos, especialmente quando ocorre um falecimento.

As lesões nas extremidades também ocupam um lugar de destaque, e em geral, o desenvolvimento inicial da musculatura nas zonas de pescoço e abdómen coloca as crianças em perigo quando passam por uma colisão, especialmente os recém nascidos e crianças até a idade de 14 anos.

No ano de 2016, na Espanha, faleceram em acidentes de trânsito 28 crianças (da faixa etária entre 0 e 14 anos), segundo o relatório ‘As principais taxas de acidentes viários. Na Espanha em 2016’, segundo a Direção Geral de Trânsito. Outras 385 pessoas ficaram feridas e tiveram que ser hospitalizadas, enquanto registaram-se 6.925 feridos não hospitalizados. Os dados percentuais são mais expressivos, ao tratar-se respectivamente de 2%, 4% e 5% do total, tendo em conta o resto de idades.

Por isso, o conhecido índice de letalidade para esta faixa de idade (até 14 anos) se situou em 0,4, bem longe do 1,3 correspondente ao resto das faixas de idade. Pode-se afirmar que a taxa de acidentes viários na idade infantil tem melhorado consideravelmente na última década, fazendo com que o ‘Objetivo Zero’ seja não só alcançável, mas fiel ao que a realidade nos confirma.

A taxa de acidentes viários em crianças por faiuxas de idade

Há que salientar que a faixa de idade correspondente entre 0 e 14 anos é muito ampla para estudá-la como uma única coisa. Entre as crianças devemos diferenciar as mais vulneráveis e debilitadas (entre 0 e 4 anos), passando para a seguinte etapa de desenvolvimento (entre 5 e 9 anos), e para terminar devemos analisar as crianças entre 10 e 14 anos. Cada faixa de idade apresenta números muito diferentes que podemos analisar.

Como poderíamos esperar, a maior taxa de mortalidade se encontra na faixa etária de 0 a 4 anos, justamente as crianças mais vulneráveis e debilitadas, situando-se 8 mortes por milhão de habitantes.

Comparando, as duas faixas de idade (5 a 9, e 10 a 14) registaram-se 2 mortes por milhão de habitantes. No entanto, a proporção de feridos hospitalizados é muito superior na faixa de idade maior, entre 10 e 14 anos, com 78 feridos hospitalizados por milhão de habitantes. Em seguida a faixa de idade entre 5 e 9 anos, com 53 feridos hospitalizados por milhão, e por último as crianças entre 0 e 4 anos, com 32 feridos hospitalizados por milhão de habitantes.

Os acidentes com mortes ocorreram principalmente em vias interurbanas, mas se pensarmos nos feridos, são as vias urbanas onde ocorreram mais casos (62% dos feridos hospitalizados e 64% dos não hospitalizados). A diferença fundamental entre ambos os tipos de vias é que no caso das interurbanas, as vítimas fatais e feridos eram passageiros dos veículos, enquanto no caso de vias urbanas, as crianças eram pedestres em sua maior parte.

As principais razões das lesões e mortes em crianças menores de 12 anos é a falta de um sistema de retenção infantil ou cinto, sendo este um dos pontos mais importantes a ser melhorado no futuro próximo, dado que muitos dos casos poderiam ser evitados com a apropriada proteção da criança.

Objetivo Zero
Back to top