Skip to Content

A DGT intensifica os controlos sobre o uso do cinto de segurança e os sistemas de retenção infantil

A DGT aumenta os controlos sobre o uso do cinto de segurança e os sistemas de retenção infantil durante uma semana

14/03/2016

A Direção-Geral de Viação espanhola (DGT) empreendeu uma campanha especial de vigilância do cinto de segurança e dos sistemas de retenção infantil durante esta semana. Além disso, a DGT anunciou que está a testar três câmaras situadas em estradas que vigiam o uso do cinto de segurança. Prevê-se que, ao longo do ano, sejam instaladas um total de 270.

Apesar de todos sabermos que usar o cinto de segurança pode salvar-nos a vida, 194 dos 822 falecidos utilizadores de ligeiros e carrinhas, em 2014, não usavam esse dispositivo (concretamente 24%). Em relação às cadeiras, 2 das 14 crianças menores de 12 anos falecidas que viajavam em ligeiros ou carrinhas, em 2014, não levavam nenhum dispositivo de segurança no momento do acidente, nem 9 dos 82 feridos graves, nem 107 dos 2.724 feridos leves. Estes números levam a DGT a continuar a insistir na responsabilidade dos adultos para transportar os menores de maneira segura e a dar prioridade à segurança dos mesmos.

Durante uma semana os agentes da Divisão de Trânsito comprovarão que os ocupantes dos veículos que circulam pela estrada levam o cinto de segurança corretamente apertado, pondo especial ênfase nos menores e que estes vão perfeitamente seguros na sua cadeira correspondente.

CÂMARAS QUE VEEM TUDO

Este dispositivo à beira da estrada vai ser complementado com a vigilância através de câmaras instaladas nas estradas. Atualmente, a DGT está a testar três delas na A-1, A-2 e A-3 em Madrid, mas a ideia é que ao longo deste ano, 270 câmaras possam controlar o uso do cinto de segurança.

Assim, a DGT anunciou que 60% destas câmaras serão instaladas em estradas convencionais, que são as que registam a maior acidentalidade e sinistralidade e as 40% restantes em vias de alta ocupação.

Em várias amostras realizadas nas câmaras em prova, 2% dos condutores dos veículos captados pelas mesmas ia sem cinto de segurança

As imagens que as câmaras captam são enviadas telematicamente para o centro Estrada de León, onde se verifica que efetivamente circula sem cinto de segurança. Posteriormente envia-se o boletim de ocorrência ao titular do veículo para que identifique o condutor.


500-no-cinturon.jpg


CINTO DE SEGURANÇA, UM CLIQUE QUE SALVA VIDAS

Um inquérito sobre o uso do cinto de segurança da DGT indica que o uso deste dispositivo de segurança é menor em vias urbanas. Por este motivo, a DGT convidou as câmaras municipais que dispõem de polícia local própria a juntarem-se à campanha, realizando estes controlos nas vias da sua competência.

Além disso, também se comprovou que o uso do cinto de segurança é mais habitual nos assentos dianteiros do que nos traseiros. No entanto, 10 em cada 100 pessoas que viajam nestas posições (à frente) não levam este dispositivo posto. Nos assentos traseiros, a ausência de uso do cinto passa para o dobro. É necessário sinalizar que 20 em cada 100 pessoas que vão sentadas nos assentos traseiros não o usam.

Não podemos esquecer que um só clique pode salvar-nos a vida:

  • Reduz para metade o risco de morte em caso de acidente.
  • Distribui as forças do choque sobre as partes mais fortes do corpo.
  • Impede que o ocupante seja cuspido do veículo em caso de impacto.
  • Impede a lesão de outros ocupantes.
  • Funciona de forma complementar com o airbag, porque este dispositivo por si só não tem efeito


OS MENORES NOS ASSENTOS TRASEIROS

Para conseguirmos que nenhuma criança faleça num acidente de viação por não ir corretamente sentada na sua cadeira, os agentes de Trânsito podem imobilizar o veículo no qual um menor viaje sem o dispositivo de retenção infantil correspondente.

Recordamos como devem viajar os mais pequenos desde o dia 1 de outubro de 2015, no artigo "Comparação velho-novo regulamento face à instalação dos SRI". Também não pode perder o nosso VÍDEO - Classificação dos sistemas de retenção infantil para levar a cadeira mais apropriada.

Neste sentido, a DGT destaca que os sistemas de retenção infantil têm que ser instalados sempre de acordo com as instruções facultadas pelo fabricante, nas quais será indicada a forma e o tipo de veículos em que podem ser utilizados de forma segura. A DGT recomenda que, sempre que seja possível, se instalem estes sistemas no sentido contrário à marcha, especialmente para os menores de 15 meses.

Também devemos realçar a nova legislação europeia sobre cadeiras: a norma UNECE R-129 ou I-Size é o novo regulamento Europeu sobre cadeiras de segurança infantil que estará em vigor em paralelo com a atual regulação R44 durante os próximos anos. Podem encontrar toda a informação necessária e resolver as vossas dúvidas em "Normas i-Size".

Esta nova norma R-129 é fruto da necessária atualização da R44 para adaptá-la aos novos avanços tecnológicos e para que todas as cadeiras sejam compatíveis com os automóveis.

ALTERAÇÕES MAIS IMPORTANTES:

  • A classificação das cadeiras de segurança é feita pela altura do utilizador em vez da idade ou peso.
  • Requer o uso do sistema ISOFIX. Sistema de ancoragem da cadeira ao veículo que tem 2 ou 3 pontos de fixação.
  • Introduz-se o ensaio de choque lateral (side impact test).
  • As cadeiras i-SIZE serão totalmente compatíveis com os lugares do automóvel que também sejam i-SIZE. A combinação de SRI e assento do automóvel serão de categoria “Universal”.
  • A cadeira mais o ocupante têm de pesar, no máximo, 33 kg.

Objetivo Cero Accidentes: Ayúdanos a Conseguirlo

Back to top