Skip to Content

Estudos Internacionais

Estudos internacionais
Mostrar tudo

Ano: 2011

Autor: Monash University Accident Research Centre (MUARC), Austrália

Este estudo, realizado com doze famílias e um total de 25 crianças, observadas nos seus automóveis durante 3 semanas, através de câmaras de vídeo, tenta identificar distrações durante a condução provocadas pela presença das crianças.

Em 98% das viagens há distrações. Dessas, 12% são provocadas pelas crianças nos lugares de trás. As distrações mais frequentes provocadas pelas crianças acontecem quando o condutor volta a cabeça para os lugares de trás ou olha pelo espelho retrovisor.

Quer saber mais?

Descarregue-o em:

Resumo em espanhol

Ano: 2010

Autor: Fundação Gonzalo Rodríguez

Patrocinadores: Fundação FIA, Fundo Global para la Segurança Rodoviária do Banco Mundial, Centro para el Control y la Prevención de Enfermedades de los Estados Unidos (CDC).

Manual completo com 140 páginas que aborda temas tão interessantes como a importância dos planos de segurança rodoviária, a situação das crianças, dados existentes sobre a utilização de sistemas de retenção para crianças…

Descarregue-o em:

Manual de Boas Práticas: Como abordar a segurança das crianças enquanto passageiros de veículos

Ano: 2010

Autores: U.S. Department of Transportation, National Highway Traffic Safety Administration

Este estudo analisa as taxas de lesões com incapacidade associada e as zonas do corpo das crianças com menos de 8 anos mais frequentemente atingidas em acidentes rodoviários, utilizando como base para a análise as principais fontes de dados dos Estados Unidos: o Sistema Nacional de Amostra Rodoviária, o Sistema Geral de Estimativa e o Banco Nacional de Dados de Trauma – Projeto de Amostra Nacional.

Descarregue-o em:

Children Injured in Motor Vehicle Traffic Crashes 

Ano: 2009.

Autor: Organização Mundial de Saúde (OMS)

Patrocinador: Fundação FIA, Global Road Safety Partnership  e Banco Mundial.

Manual que explica a necessidade de utilização de cintos de segurança e de sistemas de retenção para crianças, como avaliar a situação num determinado país, como planear e gerir um programa para promover a utilização de cinto de segurança e de sistemas de retenção para crianças, como desenvolver e implementar as intervenções contidas nesse programa e, por último, como avaliar o programa.

Descarregue-o em:

Ano: 2009

Autor: Organização Mundial de Saúde (OMS)

Aproximadamente metade dos países do mundo dispõe de algum tipo de legislação sobre a utilização de sistemas de retenção para crianças no automóvel: mais de 90% dos países com recursos elevados dispõe de dessa legislação, mas a percentagem é de apenas 20% nos países de baixos recursos. Este estudo contribui com um resumo da pesquisa realizada a nível mundial sobre o grau de execução das recomendações contidas no relatório mundial sobre segurança rodoviária, elaborado no ano 2004 pela própria OMS.

Descarregue-o em:

Global status report on road safety: time for action

Ano: 2008.

Autor: Delegação Regional na Europa da Organização Mundial de Saúde (OMS)

As lesões não intencionais são a principal causa de morte em pessoas dos 5 aos 19 anos de idade. Em 2004, na Europa, 42.000 crianças e adolescentes entre 0 e 19 anos morreram devido a lesões não intencionais (incluindo as ocorridas em acidentes rodoviários). O número mais elevado de mortos na região corresponde aos países com rendimentos médios e baixos, onde cinco em cada seis mortes na população infantil são devidas a lesões. Calcula-se que em 2004 morreram na Europa 16.400 crianças e adolescentes entre 0 e 19 anos devido a lesões provocadas por acidentes rodoviários. Se todos os países da região tivessem a mesma taxa de mortalidade por acidentes rodoviários que os países com as taxas mais baixas, poderia salvar-se a vida de 7.900 crianças por ano. Quer dizer, evitar-se-ia metade das mortes de crianças por esta causa.

Consulte-o  em:

Relatório europeu sobre prevenção de lesões na população infantil

Ano: 2008

Autor: Organização Mundial de Saúde (OMS) e UNICEF

Em cada ano, cerca de 10 milhões de crianças no mundo sofrem lesões ou ficam com incapacidades em consequência de acidentes rodoviários. Estes acidentes são, a nível mundial, a principal causa de morte entre os jovens dos 10 aos 19 anos e a primeira causa de incapacidade na infância em geral. Nos países com rendimentos baixos e médios, o número de crianças mortas por acidentes rodoviários poderá duplicar nos próximos 15 anos. Este estudo analisa todas estas questões, chegando ainteressantes conclusões sobre as medidas para prevenir acidentes.

Consulte-o em:

World report on Child Injury prevention

Ano: 2008

Autor: Instituto Nacional Holandês para a Investigação da Segurança Rodoviária (Dutch National Road Safety Research Institute (SWOV)

Interessante revisão bibliográfica e análise das estatísticas holandesas sobre segurança rodoviária infantil, onde se constata que o número de crianças entre os 0 e os 14 anos de idade que morreram ou foram hospitalizados diminuiu consideravelmente ao longo das últimas décadas. Alguns dos principais fatores que podem explicar essa redução são o programa “Segurança Sustentável” de melhoria global da segurança das vias de circulação, as melhorias de segurança nos veículos e o aumento da utilização de cadeiras para crianças, entre outros.

Consulte-o em:

A segurança das crianças no trânsito: análise de acidentes e revisão bibliográfica. Relatório SWOV R-2008-06

Ano: 2008

Autor: Instituto de Investigação da Universidade de Michigan (University of Michigan Transportation Research Institute (UMTRI)

Patrocinadores: Administração Nacional da Segurança dos Transportes em Autoestrada, Aliança dos Construtores Automóveis

Estudo realizado a partir da investigação em profundidade de acidentes rodoviários em que estiveram envolvidas um total de 57 grávidas, do qual se tiram interessantes conclusões, tais como que os fatores que mais influenciam a probabilidade de lesões no feto são a gravidade da colisão, a existência de lesões na mãe, e a utilização adequada dos sistemas de proteção (cinto de segurança e airbag). As mulheres grávidas devem utilizar o cinto de segurança como melhor forma de proteger o feto.

Ano: 2008

Autor: Vehicle Safety Consultancy Ltd

Patrocinador: ANEC (Associação Europeia de Consumidores)

Investigação sobre uma amostra de acidentes reais ocorridos no Reino Unido, Suécia e Estados Unidos nos quais crianças que utilizavam sistemas de retenção sofreram lesões graves ou mortais. O objetivo do estudo é analisar as vantagens das crianças viajarem voltadas para trás, em vez de viajarem de frente.

Descarregue-o em:

Estudo de acidentes sobre o desempenho dos sistemas de retenção utilizados por crianças com 3 anos de idade ou menos

Ano: 2006

Autor: Aliança Europeia de Segurança Infantil (ECSA) e Associação Europeia para a Prevenção de Lesões e Promoção da Segurança (EuroSafe)

Patrocinador: Comissão Europeia, a citada Associação Europeia para a Prevenção de Lesões e Promoção da Segurança (Eurosafe), Universidade do Oeste de Inglaterra e Johnson & Johnson Europa

Demonstrou-se que, quando os sistemas de retenção para crianças são bem utilizados, as lesões diminuem entre 90 e 95% no caso de cadeiras voltadas para trás e cerca de 60% no caso de cadeiras instaladas de frente. Este guia ajuda todas as partes interessadas nos Estados Membros a promover boas práticas de planeamento e a implementar estratégias destinadas a abordar as lesões em crianças. Tem quatro capítulos interessantes:

O que sabemos sobre boas práticas de prevenção das lesões não intencionais em crianças?

Boas práticas “uma visão simples”

Quando e como devemos utilizar boas práticas de planeamento das estratégias de prevenção das lesões?

Estudos de casos de boas práticas na Europa.

Consulte-o  em:

Guia de boas práticas em segurança infantil

Ano: 2004

Autor: Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE)

Relatório sobre os progressos realizados nos últimos vinte anos no campo da segurança rodoviária infantil nos países da OCDE, cujo propósito principal é realçar os programas e estratégias de êxito que podem ser adotados por todos os países da OCDE para melhorar a segurança rodoviária infantil. Também se apresenta como objetivo a identificação de possíveis áreas de melhoria no futuro.

Ano: 2003

Autor: Swedish National Road and Transport Research Institute (VTI)

Patrocinador: Swedish National Road Administration

As estatísticas disponíveis mostram que as cadeiras para crianças nas quais a criança viaja voltada para trás são uma medida eficaz para melhorar a segurança rodoviária. Neste estudo encontrará uma revisão completa da bibliografia sobre segurança das crianças no automóvel.

Consulte-o  em: 

Child safety in cars

Ano: 2001

Autores: Community Guide Branch, Centers for Disease Control and Prevention (EE UU) 

Uma interessante revisão da eficácia dos programas para aumentar a utilização dos sistemas de retenção para crianças para o automóvel. No total, consideraram-se mais de 3.500 referências, das quais por fim se incluíram na revisão 72%.

Como conclusão, constata-se que a legislação e os programas de distribuição de cadeiras, combinados com educação dos pais e tutores, são as medidas mais eficazes.

Descarregue-o em: 

Revisão das evidências relativas a intervenções para aumentar a utilização de cadeiras para crianças

Back to top